Nossa História

Uma história de muita disciplina e dedicação. Depois de algumas adversidades pelo caminho, surgia o Grupo de Experiências Psíquicas “30 de Julho”.

O Centro Espírita Beneficente “30 de Julho” foi fundado por um grupo de 16 pessoas, que tinham como propósito ampliar os conhecimentos sobre a ciência, a religião e a filosofia até então bastante combatida: A Doutrina Espírita.

Entender as manifestações físicas, a origem dos espíritos e a relação deles com o mundo material, faziam parte da proposta de estudos, utilizando como base os livros da codificação espírita, escrito por Allan Kardec.

Foi então, na residência do casal Antenor Puppo e Dulce Puppo, um dos fundadores, que as atividades mediúnicas iniciaram. Eles se reuniam à noite e realizavam trabalhos de materializações com o auxílio da médium ectoplasta Mercedes Diegues.

Porém, iniciar um estudo da doutrina dos espíritos na década de 40 era enfrentar alguns impedimentos pelo caminho. Naquela época, idéias sobre reencarnação, vida após a morte, cura pela mediunidade não eram bem aceitas e encontravam ferrenhos opositores.

Existia uma intelectualidade, médicos, que não titubeavam em criar apêndices para o pensamento Kardecista. Até porque a Doutrina Espírita vinha abalar os alicerces milenares do misticismo, da fé dogmática, do materialismo científico.

E para provar a autenticidade da filosofia era preciso haver provas de fato para deixar de ser contestada. Daí surgirem manifestações espíritas em todos os cantos do mundo.

Apesar das dificuldades enfrentadas, o ano de 1947 se caracterizou como marco histórico para esse grupo de estudiosos. Foi durante uma sessão espiritual que ocorreu o primeiro fenômeno mediúnico.

Pancadas na mesa, piscar de luzes foram algumas das manifestações observadas pelos trabalhadores. Momentos depois, o fato principal: a primeira manifestação de um espírito naquela noite.

Com a assistência da médium Mercedes Diegues um espírito deixou impresso a marca de seus braços numa parafina (matéria prima essencial na fabricação de velas e cosméticos). Portanto, a confirmação real da existência dos espíritos e consequentemente a possibilidade de comunicação entre seres encarnados e desencarnados.

A partir dessa data, nascia o Grupo de Experiências Psíquicas “30 de Julho”, que tinha como proposta, além de estudar as obras básicas da codificação, iniciar o trabalho assistencial às pessoas carentes.

Com o passar do tempo, o grupo deu personalidade jurídica e com a nova alteração do estatuto, em 21/07/1958 passou a chamar-se Centro Espírita Beneficente “30 de Julho”. Tempo mais tarde, adquiriu sede própria localizada à Avenida Senador Feijó nº 513.

 

Juridicamente legalizado a instituição iniciou um trabalho assistencial, onde fazíamos atendimentos as famílias carentes e distribuíamos cestas básicas e enxovais para os recém-nascidos, onde as gestantes recebiam o nosso apoio, sempre sobre inspiração filantrópica.

No entanto o ideal daquele grupo que fundou esta casa ia além. Eles idealizavam desenvolver um projeto que atendesse crianças carentes, mas ainda não sabiam que a espiritualidade os ajudava no destino dessa tarefa, até o momento que a confirmação chegou através de uma mensagem psicográfica por uma médium da instituição.

Nesta mensagem foi sugerida pela espiritualidade a fundação de uma escola especializada na educação de crianças com deficiência e que posteriormente surgiriam outros serviços, todos em prol de crianças e jovens com deficiência.

A mensagem ainda explicava que a instituição seria de fundamental importância na reabilitação desses jovens, pois a partir daquele ano muitos espíritos reencarnariam na condição de deficientes intelectuais e a casa seria futuramente o conforto e o suporte educacional para cada um deles.

Assim em 18 de abril de 1964 surgia a Escola de Educação Especial “30 de Julho”, iniciando suas atividades com 30 crianças deficientes intelectuais, divididas em duas salas de aula.

Era o sonho realizado desse grupo de pessoas que acreditaram que poderiam fazer algo em prol de crianças com deficiência leve e moderada. E que de tão especiais teriam finalmente uma instituição de ensino destinada a colaborar na formação educacional e social deles.
Hoje o Centro Espírita Beneficente “30 de Julho” em plena atividade, se consagra perante a comunidade e aos órgãos governamentais, mostrando que a força e a boa vontade fazem parte desta instituição desde a fundação, acreditando que sempre é possível cuidar com amor do ser humano.

“Obras primas não são fruto de um nascimento solitário. Elas são a consequência de vários anos de pensamento em comum, de tal modo que a experiência da massa está por trás de uma única voz.” Virginia Woolf (1882-1941)